Por que você não deve ir ao dentista somente quando sente dor

Muitas pessoas só se lembram do dentista quando sentem dor de dente.

O fato é que não sentir dor nos dentes não significa exatamente que sua saúde bucal vai bem. O check-up odontológico é importante ser feito uma vez a cada semestre, ou no máximo, a cada ano.

O tratamento odontológico preventivo previne cáries, gengivites e uma série de outras doenças que podem ser silenciosas e só dar sinal de dor ou incômodo quando já estiverem num estágio avançado.

Segundo os especialistas da Coife Odonto, o check-up pode ainda detectar tártaro, inflamações gengivais, defeitos ou infiltração em restaurações antigas e até mesmo lesões de tecidos moles em língua e bochecha, como o próprio câncer de boca.

No entanto, para que esse procedimento tenha resultados positivos, é importante fazer uma profilaxia (limpeza) com aplicação de flúor nos dentes. O profissional também irá instruir sobre como utilizar a escova e fio dental corretamente, já que apenas com uma higiene adequada o paciente terá plena saúde. Uma alimentação saudável também precisa ser praticada e recomendada.

O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento, ou seja, se a pessoa só procurar o dentista quando sentir alguma coisa, como mobilidade do dente, mau hálito e sangramento gengival, pode ser tarde para um tratamento conservativo.

Saiba o que é examinado no check-up com o dentista:

1. Exame da gengiva

A gengiva, junto com os ossos, ajuda na sustentação dental e, caso esteja inflamada, é obrigação do profissional tomar providências para reverter o quadro.

2. Análise dos tecidos internos da boca

Um problema bastante comum encontrado na mucosa bucal é a afta, lesão que merece uma atenção especial.

3. Check-up na língua

Não sei se você sabia, mas a língua é um órgão indicador de doenças. “Uma língua saudável deve ser rosa, com uma superfície lisa e homogênea. Qualquer alteração de cor, forma ou tamanho pode ser um indicativo de doença, desde anemia e falta de vitaminas até um câncer ou AIDS.

4. Teste de oclusão

O encaixe entre a mandíbula e a maxila devem ser analisados na consulta. Problemas oclusais (de mordida) podem passar despercebido pelos pais, que costumam só olhar o alinhamento dental, mas um profissional especializado vai saber identificar esse tipo de problema logo na primeira consulta e indicar o uso do aparelho ortodôntico mais adequado para a situação.

5. Teste da saliva

Também é função do dentista analisar o volume, a viscosidade e a densidade da saliva. No entanto, segundo uma pesquisa da Universidade de Brasília, apenas 7% dos dentistas costuma fazer um exame para avaliá-la. O baixo fluxo salivar pode causar mau hálito, facilitar o aparecimento de infecções gengivais e cáries, além de causar amidalites, faringites, esofagites e até úlcera.

6. Garganta inflamada?

Até uma garganta inflamada pode causar problemas bucais. “Respiração bucal, ressecamento da mucosa e inflamação das amídalas são fatores que podem estar interligados.

7. Exame do rosto

“Só de olhar para o rosto de uma pessoa dá para saber se há problemas de desenvolvimento da mandíbula, na musculatura do rosto ou algum tipo de má oclusão. Alguns desses problemas alteram tanto o formato da face que cirurgias podem ser indicadas”, diz o especialista.

Fonte das dicas: Colgate

Gostou? Compartilhe!

AGENDE SUA AVALIAÇÃO